Biodiversity: Surprisingly jungle side of Ayampe, Ecuador

Ayampe is a little beach town situated on the splendors coast from Ecuador, State of Manabi.  I found about this place accidentally, while I as passing through it by bus heading to Puerto Lopez from Salinas to watch the ending season of the Jorobadas Whales. It called so much my attention because of its rootness, dirt roads, with alternative looking travelers around and a mountain covered with vegetation on the right side. What a good vibe! I was convinced that I needed to go back there soon as possible. By this time, I was volunteering in Bosque Protector Cerro Blanco (BPCB), a natural reserve located at the neighbored State, Santa Elena, so probably it should not take long for me to go back there.

BPCB it is a beautiful green area, incredibly located in such a big city – Guayaquil, that is even bigger than the capital of the country, Quito. It is connected with the coast area of Manabi and Santa Elena by Cordillera Chongón Colonche, sharing a big dry forest that holds endemic species of animals and plants, especially one bird species that has been extinct mainly by the deforestation for agriculture and housing that ending up not leaving space for their nests – the Great Green Macaw, known as Papagayo de Guayaquill. It is very similar to the known Brazilians macaws, but with different colors in their faces and body. In order to recover this species, BPCB and others Ecuadorian Foundations are trying to recover them by reproducing and growing in captive, and, soon as they can, make it free after a Rehabilitation Program. Generally, the macaws are symbol of nature from my country, Brazil, and I really appreciate them. Besides the fact that they have for the whole life the same partner (“true love!”), they are so beautiful, their flight is so specially distinguish, giving me the sensation of eternal freedom.

So, by the time I was volunteering in the Reserve of Cerro Blanco, I used to take advantage I was living so close to the coast area, and, after the whole week of work, I would look for a different beach to refresh myself and enjoy the unique sunsets of Pacific Ocean. Until it finally got the time to visit Ayampe! What a happy day; there I was going to explore again, alone, new places! I have always been in love with this feeling.

Not making much further plans, when I got to Ayampe I found the Colombian hospitality of a woman that owned a Hostal there. When talking more with this Lady about the things I could do that day besides going the beach, she told me there were a hiking in the midst of the mountains, even though she was not so sure on how was the way inside. The path is called Caminho del Colibri (Humminbird´s trail), probably because the quantity of this birds we can see on the way, and on it you can feel the taste of being on the woods, totally forgotten of what is urbanization. Without doing any other research, I followed her instructions to get on the trail, and, later on, I was just following the few signs on the way.

It was a nice little road, covered by mud on some parts, and in a few kilometers after walking some while I have found the entrance of a project called Jocotoco, a cousin-project from BPCB that also works protecting local fauna and flora. It was kind of a surprise, because as far as I knew, this Project was located at the Capital, Quito. Anyway, there was anybody there to ask, it was just a sign. I kept on my way, and few kilometers ahead there was a river – the big Ayampe River, I found out later – where I took a wonderful and unexpected warm naked bath. I did not see anybody for a long time, so I was really feeling like ¨forever-alone-in-the-woods¨. I was glad for a moment, singing freely, thanking to Pachamama (our Mother Nature) for that big present of being there, surrounded by that pure nature and dense green forest in the mountains for everywhere my eyes could see. I was definitely ALONE, PEACEFULL and HAPPY for being there in that exactly moment in time.

IMG_5032

After some time, I kept going on the supposed path, crossing the River that occasionally crossed the visible way again and again. Since it was a bit late, I was careful about the time, not forgetting I had to come back ¨home¨, and despite of this plus the fact that I did not see any sign anymore for a long time, I decided to keep on walking to enjoy that pleasant ambient. That decision push me to the edge, because, when I realized, I was not sure anymore about the way to go back; then, I got my cellphone to take a look on the GPS to find out that the blue dot was settled just in the middle of some green area, very far from the Ocean and Ayampe town. I did not even know how I ended up so far away! In addition, I did not see anybody for at least the last 4 hours… Ok, I was starting to be a bit worried.

Before I was thanking to Pachamama to be by myself, but at that time, all I wanted was to find A HUMAN on my way. ANYONE that could tell me what was the way back. I was walking, trying to recognize the places I have passed on the trail – ¨they all look the same!¨ – remembering the tools I had on my backpack to spend the night over there, thinking that at least I had potable water from the river. “I will be all right” it was my mantra. On the lasts months that I had been volunteering in the Bolivian and Peruvian jungle, I have heard so many survival histories from people that got lost in the woods just like me, and I knew I could survive as well. Of course, the butterflies in my stomach were very noisy by this point of this adventure.

Then I heard something. I finally heard something that it was not birds! A humanity noise. ¨It might be a car, or a bike…¨, I was running towards that sound, shouting ¨hola… assistencia…¨ (words meaning help). Indeed, there were some people there; ¨Humans! Thanks GOD!¨, I thought. With just some time to get my breath back, we talked and they told me they were from Jocotoco Project, and that they were going to check the Macaws in the cage where they were rehabilitating it to be free very soon. Luckily, they invited me to go there with them. Wow! As I said before, I had heard about a very similar project from BPCB, and I was really sad I did not make on time to see those fascinating birds since they were released just few weeks before my arrival there. I did not know there was any other projects like that on that region, and, maybe by the power of destiny or my intuition, I ended up making an unplanned very pleasant connection in the middle of nowhere. That was so awesome! It happened the last thing i expected and I was so glad, again, for that : )

IMG_5130

At the end, everything was wonderfully fine: I have got to known the beautiful 14 macaws that were release just a week later – those people even gave me a feather from one of the birds! At night, finally, I could sit on the beach, and, feeling my legs palpitate from fatigue, enjoy the refreshing ocean breeze on my face.

 

Advertisements
Categories: Ecuador | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a comment

O que mais fazer na cidade de Cusco _ além do que está dito e repetido em todos os guias e reviews

O que fazer na cidade – centro histórico – de Cusco, além do que está dito e repetido em todos os guias e reviews por aí, junto com alguns dos passeios clássicos que realmente valem a pena serem feitos. Sem gastar muito e sendo muito feliz na viagem .) 

Atividades, etc e tal

Planetário (entrada em 50 soles [valor inteiro] e 30 soles [estudantes]): para mim foi uma das melhores experiências aqui na cidade. O Planetário tem uma clima totalmente familiar, e senti que tem um toque de amor no que fazem – e isso faz muita diferença! Eles fazem uma introdução, contando um pouco sobre o céu em geral e como os Inkas o observava. Para ter ideia, os inkas viam a Via Lactea ao contrário à nossa visão mais comum, notando o que estava de escuro nela e não as luzes das estrelas em si. Depois disso tem observação dos planetas na parte de fora do Planetário.

Coca Museum: este, na minha opiniao, é um dos museus de Cusco mais interessantes para um passeio. Aí você aprende tudo sobre a planta sagrada, mitos, história, usos, deuses, etc. E, é super barato para entrar. Ele nao está na rota clássica dos museus de Cusco.

Museu das Plantas Sagradas: este também é outro museu que não está tanto na rota clássica dos museus de Cusco. É uma sala/loja, que tem expostos diversas plantas da região, e aí você pode aprender mais sobre cada uma delas. Tem de tudo mesmo. Além disso, tem outras duas coisas bacanas aí: 1) todas as sextas, às 18h tem Cerimonia do Cacau (é cobrado um valor x); 2) tem almoço vegetariano por 10 soles [demorei para descobrir isso :P]

Museu do Cacao: o Museu do Cacau é um dos mais conhecidos aqui. E tem motivo. Ele é um museu em que nao te oferece apenas a história do Cacau no país, mas também te dá uma experiência em conhecer os tipos de produtos que eles tem, como são feitos, etc. Fazendo parte do mini tour, você experimenta quase tudo, incluindo os chocolates e licores que eles fazem. Também, por uns soles a mais, você pode participar de workshops, etc. e conhecer mais.

Museu do Café: este museu tem uma proposta bem parecida com a do Cacau, porém não te dá a chance de experimentar tudo o que falam (sem pagar, é claro!). Tem um mini tour basico que te situa na história do Café no mundo e também no Peru. Eaí vai falando das maquinas, da evolução das coisas no país em relação ao café, etc. Você tem a chance de pagar por um workshop (Taller de cultura cafeteira) e fazer parte do processo de produção de café, aprender mais sobre os tipos, e também, ao final, de escolher em qual processamento você quer tomar o seu café no final 🙂

Caminhar no bairro San Blass: tem mil e uma coisas nesse bairro. Lojas de artesanato, hippies com produtos alternativos, lugares de yoga, classes de espanhol, opções demasiadas de snacks, cafés, crepes, cenas, almuerzos, padarias, bares para a noite, etc. O Bairro é muito agradável e sempre me senti muito segura caminhando pelas ruas mais sozinhas dele. Ao lado tem a Igreja de San Cristobal, que tem uma vista liinda da cidade – é um ponto muito bom para ver a lua cheia nascer tb. Neste bairro tem um Mercado local, menor que o São Pedro – e muito mais tranquilo!, com boas opções de almoço e é um local onde pode-se comprar frutas, verduras e tomar sucos feitos na hora pelas senhoras.

Teatro Municipal + Casa de la Cultura Cusco: tem várias atrações gratuitas, mas tem que ir no local para ver a programação. Tambem tem opções pagas.

Mercado São Pedro: hm… difícil explicar, tem que ir e ver a loucura que é 😀 passeio clássico da cidade.

Mercado de San Blass: Leia em “caminhar no bairro San Blass” acima.

Dica mochileiros! Nos mercados tem Menu (almoço) por 5 soles! Vale muito a pena… tem opção vegetariana tambem para quem não come carne. Para quem ficar na dúvida pq é muito barato, coisa e tal, comi no Mercado de San Blass diversas vezes e nunca passei mal 😉

Free Walking Tour: todos os dias fazem passeios diferentes, explicando muito bem o que passa e o que passou na cidade de Cusco. Saem sempre da Plaza de Armas em 3 horários por dia (agora está em 10, 13h e 15:30, mas o ideal é quando chegar em Cusco, ir na Plaza de Armas e ver as horas em que estão saindo – sempre tem gente ali panfletando). E o melhor, é que você paga o quanto acha que deve pagar – ou seja, trabalham com contribuição espontânea -> só não esqueça que esse é o trabalho deles 😉

Fique ligado nas datas comemorativas do país. Em todo o Peru acontecem festivais e celebrações místicas/religiosas ao longo do ano que são muito válidas de serem vivenciadas.

Bares & Restaurantes especiais:

Cholos e Nueno Mundo: cerveja (chopp!) artesanal local : )

Km 0: bar classico em San Blass, com buena onda, comidinhas, drinks dose dupla, chopp, etc. É um dos únicos que fica aberto até um pouco mais tarde.

Mama Africa: além de uma baladinha, tem aulas de sala gratuitas no início da noite e duram mais ou menos 1 hora. O ideal é passar no local para ver a programação certinha.

Ukukus Bar: é um bar muito muito lindo, com uma vibe mais roots que os outros até. Aos domingos acontece show imperdível de uma banda local chamada Amaru Pumac Kuntur, com entrada grátis (https://www.facebook.com/Amaru-Pumac-Kuntur-230120687144429/?ref=br_rs). Vale muito a pena! Dica mochileiros 

Café Nomade: a revisar

Restaurante Green Point (tem 2 no centro): um paraíso pros vegetarianos – menu almoço com direito a buffet de salada livre, sopa, prato principal e sobremesa por 15 soles.

Crepetie (Crepes Al Passo): está na pontinha do centro histórico, na Calle Q’era 282. O senhorzinho faz uns crepes incríveis a um valor super honesto ( :

tudo o que escrevi neste post está livre de influências alheias/comerciais, sendo meramente minha opinião sobre as coisas em que vivi (e continuo vivendo) nesta linda cidade cusqueña. A medida que for descobrindo mais, vou atualizando este post. 

Se você viveu alguma situação/experiência que acha válido estar nessa lista, mande nos comentários para que outras pessoas também possam vivenciar o que é de bam nesse mundão afora (: \m/

Categories: Peru | Tags: , , , , , | Leave a comment

Some (main) ways to get to Machu Pichu from Cuzco

Machu Pichu from Cuzco

 

TO GO:

 

  • Cuzco _ Ollantaytambo _ Aguas Calientes (taxi/bus + train)_ MP (bus/walk)

Cuzco -> Ollantaytambo (Sacred Valley Station) = 70 soles by taxy or by public bus (very cheap)

Ollantaymtambo -> Aguas Calientes = train USD 66 – 97 (2 hours)

Trains: http://www.perurail.com/

Aguas Calientes -> Machu Pichu = 12 USD  to go – 24  USD round trip // walk for free 1h

 

  • Cuzco _ Santa Maria / Hidroeletrica _ Aguas Calientes

Cuzco -> Santa Maria = Bus (-7 hours) – 20 soles

Santa Maria -> Hidroeletrica = taxi compartido (shared taxi ~50soles total)

*Stop to go to Aguas termais of Santa Teresa (Santa Maria)! 😉

Hidroeletrica -> Aguas Calientes = walk 3 hours (free)

 

MP entrance: = 152 soles entrance (visits only from 6-12 or 12-17:30 – choose one)

To buy tickets to Machu Pichu: http://www.machupicchu.gob.pe/

 

TO COME BACK:

  • Aguas Calientes _ Ollantaytambo _ Cuzco (train + bus/taxi)

Aguas Calientes -> Ollantaytambo (Sacred Valley Station) = train USD 54 – 100  (2 hours)

Trains: http://www.perurail.com/

Ollantaytambo -> Cuzco = taxi (70 soles) or public bus (very cheap)

 

 

  • Aguas Calientes _ Hidroeletrica / Santa Maria _ Cuzco (walk +taxi + bus)

Aguas Calientes -> Hidroeletrica = walking 3 hours (free) + taxi (xxx)

Hidroeletrica -> Santa Maria =  taxi compartido (shared taxi ~50soles total)

*Stop to go to Aguas termais of Santa Teresa (Santa Maria)! 😉

Santa Maria -> Cuzco = Bus (-7 hours) – 20 soles

 

  • Aguas Calientes _ Cuzco (train to Poroy Station)

There are just few trains/not always open, and they are generally bit more expensive = train USD 96 – 111 (3:30 h)  + bus/taxi to Cuzco (20min). See more on this link.

 

 

Notice that getting the bus + walking the same path the train does it is much cheaper to  get in Aguas Calientes. It is a nice and soft 3 hour walk (at least for it was hehe).

There are still ways that you don’t spend almost nothing, for example, doing the Salkantay Trail instead getting the Inka Trail

To do the Inka Trail you gotta book almost one year before… and to do the Salkantay Trail it is free, and you don’t have to boom anything. Still, I recommend doing this trail with a agency/tourism guide, because they can take your stuff for you, and they have everything prepared. You just have to walk 😉 It was one of the most beautiful hikes I’ve done in my life. I super recommend!

The time I was there i met Ferdnand Soto, a very nice guide. He knows a lot, many sotires about the places, and can take you safely all the way there! Here it is his facebook: https://facebook.com/ferdinand.rs

(Soon i will post an especific post about this crazy trip ( : )

 

 

Categories: Peru | Tags: , , , , , , | Leave a comment

Chris McCandless & Roy – Mudança no estilo de vida e um texto inspirador(zaço) para aventurar-se

 2 anos ele caminha pela Terra. Sem telefone, sem animais de estimação, sem cigarros. Verdadeira liberdade. Um extremista. Um entusiasmado viajante que a casa é a estrada. Fugiu de Atlanta. Agora, depois de insuportáveis anos, veio a final aventura. A última batalha para matar o falso ser e vitoriosamente achar o seu espírito privilegiado. 10 dias e noites pegando trens assustadores e carona trouxe ele para o norte. Não mais envenenado pela civilização, ele voa, e caminha pela terra para começar a ser perdido na natureza selvagem

 – Alexander Supertramp.

 

Essa é a história verídica de uma das pessoas que, mesmo sem conhecer, mais me influencia na vida. O nome dele: Christopher McCandless – apelido Alexander Supertramp. Aquele tipo de pessoa que, pela sua história, se torna um verdadeiro herói para você.

nattAmericano, de uma família rica, este jovem um dia “se revoltou” de vez com a sociedade e com a vida que levava, queimou todo o seu dinheiro e resolveu que iria dar um tempo de todo esse absurdo inconsciente que as pessoas em geral vivem, focando principalmente em passar um tempo no Alasca, longe de tudo e de todos, vivendo só, sem ser tocado pela sociedade. Ele acreditava que não precisava de dinheiro e nem de “coisas, coisas e coisas”.

Então, logo depois de formado – de cumprir o seu “dever” social – ele partiu. Primeiramente com seu carro, depois de carona, atravessando a fronteira do México de caiaque, conheceu e viveu com hippies. Foi para Salvation Mountains, lugares inexplorados… Trabalhou um tempo para conseguir dinheiro, viveu numa fazenda. E, um pouco antes de finalmente chegar ao Alasca, conheceu Roy.

natu

Imagem do filme “Natureza Selvagem”, baseado na historia de Chris McCandless

Roy adotou McCandles como um filho. Antes de conhecê-lo, ele havia “morrido” junto com a esposa e o filho. Mas, quando conheceu o jovem viajante, ele voltara a viver novamente ( :

 

Eis aqui uma carta que Chris deixa para Roy na sua partida para o Alasca – um dos textos mais fodásticos que já li na vida.

“Gostaria de repetir o conselho que lhe dei antes: acho que você deveria realmente promover uma mudança radical em seu estilo de vida e começar a fazer corajosamente coisas em que talvez nunca tenha pensado, ou que fosse hesitante demais para tentar. Tanta gente vive em circunstâncias infelizes e, contudo, não toma iniciativa de mudar sua situação porque está condicionada a uma vida de segurança, conformismo e conservadorismo, tudo isso que parece dar paz de espírito, mas na verdade nada mais é mais maléfico para o espírito aventureiro do homem que um futuro seguro.

A coisa mais essencial no espírito vivo de um homem é a sua paixão pela aventura. O “aproveitamento” da vida vem de nossos encontros com novas experiências e, portanto, não há alegria maior que ter um inacabável e mutável horizonte para cada dia ter um novo e diferente sol. Se você quer mais de sua vida, Ron, deve abandonar a sua tendência à segurança monótona e adotar um outro estilo de vida que, de início, vai parecer maluco para você. Mas depois que se acostumar a tal vida verá seu sentido pleno e sua beleza incrível.

Temo que você seguirá essa mesma tendência no futuro e assim deixará de descobrir todas as coisas maravilhosas que Deus colocou ao nosso redor. Não se acomode nem fique sentado em um único lugar. Mova-se, seja nômade, faça de cada dia um novo horizonte. Você ainda vai viver muito tempo, Ron, e será uma vergonha se não aproveitar a oportunidade para revolucionar sua vida e entrar num reino inteiramente novo de experiências.

Você está errado se acha que a alegria emana somente ou principalmente das relações humanas. Deus colocou tudo isso a nossa volta. Está em tudo e qualquer coisa que possamos experimentar. Só temos que ter a coragem de dar as costas para nosso estilo de vida habitual e nos comprometer com um modo de viver não convencional.

O que quero dizer é que você não precisa de mim ou de qualquer outra pessoa em volta para pôr esse novo tipo de luz em sua vida. Ela está simplesmente esperando que você o pegue e tudo o que tem a fazer é estender os braços. A única pessoas com quem você esta lutando é você mesmo e sua teimosia em não entrar em novas situações.

Você verá coisas e conhecerá pessoas e há muito o que aprender com elas.

Espero que na próxima vez que o encontrar você seja um homem novo, com uma grande quatindade de novas aventuras e experiências na bagagem. Não hesite nem se permita dar desculpas. Simplesmente saia e faça isso. Simplesmente saia e faça isso. Você ficará muito, muito contente por ter feito.

Cuide-se, Ron!

Alex Supertramp”

 

Ron deixou sua casa e mudou-se para o acampamento onde McCandles ficava anteriormente. Depois começou a viajar, dar carona para “hitchikers”. Certo dia ele deu carona para um viajante e começou a contar sobre o menino que havia mudado a sua vida. O viajante perguntou: “O nome dele não era Alexander Supertramp?” Roy disse que sim, e então lhe foi dito “o seu garoto foi encontrado morto há alguns dias, dentro de um ônibus no Alasca”.

Na-Natureza-Selvagem

 

Palavras de Ron:

“Quando Alex foi para o Alasca eu rezei. Eu pedi para Deus para manter o dedo sobre o seu ombro. Eu falei para ele que Supertramp era especial. Mas ele deixou ele morrer. Então quando eu fiquei sabendo do que tinha  acontecido eu renunciei ao Senhor. Virei ateísta. Eu decidi que não poderia viver com um deus que deixou algo tão terrível acontecer com ele.”

 

Para quem quiser assistir o filme, ele está disponível no Netflix. Procure por “Natureza Selvagem” ou “Into the Wild” (nome original). Aqui tem a ficha técnica do filme. 

Existe o livro também, que contém bastantes textos que ele escreveu que não aparecem no filme e também mais infos da vida de Chris

naaat

Categories: Filosofando | Tags: , , | Leave a comment

CouchSurf – Quase além das fronteiras do mundo

Você já parou para pensar como seria se você tivesse uma cama para dormir em qualquer lugar do mundo?! Desde cidades grandes, luxuosas e famosas até cidades minúsculas, perdidas no meio de florestas e solitárias.  Pois é. Parece uma grande mentira, mas isso existe; e é muito simples de fazer acontecer. O melhor de tudo: você não precisa pagar nada por isso!!! Você precisa apenas da cultura de seu povo, uma mente aberta ao novo. O nome disso é “CouchSurfing”.

Fazendo uma tradução bem ao pé da letra significa “surfando no sofá”. CouchSurfing é uma rede de relacionamentos mundial para conectar os viajantes e as comunidades que eles visitam. No entanto, é diferente dessas redes sociais que conhecemos. Ao invés de amigos, você procura por “sofás” para dormir. Claro, que depois que você “surfa” com alguém, você pode ficar amigo daquela pessoa e manter contato para novamente fazer uma visita ou recebê-la na sua casa no futuro. Anders Engvall, da Suécia, conta que de 10 pessoas que ele conheceu, manteve contato com 7. Para ele ,CouchSurfing está beseado em conhecer pessoas que você nunca imaginou que existissem, e curtir com elas, criando um relacionamento de amizade para a vida. “Uma amizade verdadeira.”

Mantendo sua rede de contatos, você pode pedir dicas sobre os mais variados lugares, tendo informações ‘quentes’ diretamente de quem conhece o assunto: de quem vive no lugar. Descobre promoções, os lugares mais legais e baratos para comer e as noites mais legais para festiar. E na cultura mochileira, todos sabemos que não há nada como informações vindas diretamente dos ‘nativos’ da região. André Mello confirma: “Não consigo conceber outra maneira de chegar em uma cidade de 7 milhões de habitantes em um pais de outro continente, sem nenhum contato e ser bem recebido por pessoas muito pilhadas e… animadas!”.

O site também proporciona encontros (os famosos “meetings” semanais) onde todos os CocuhSurfers da área, visitantes e moradores, podem se encontrar, trocar idéias, dividir experiências, conhecer uns aos outros e se divertir juntos! Marília Cabral, de Porto Seguro, diz que o CouchSurf a ajudou a fazer novos amigos e conhecer novas culturas em San Francisco. O que ela achou mais legal sobre essa comunidade é que parece que todo mundo está ligado numa mesma sintonia: “Só encontrei pessoas abertas, solidárias, com vontade de fazer um mundo mais harmonioso”. Portanto, não exite pensar em ir viajar sozinho. Se você não tiver um amigo e não conhecer ninguém, não há problema algum porque com certeza alguém irá lhe “adotar” e fará você se sentir à vontade, mesmo que não falem a mesma língua e nunca se tenham visto.

Todos os participantes têm uma mente aberta, uma grande vontade de conhecer diferentes pessoas, culturas e línguas. O CouchSurfing começou nos EUA, nas redondezas de San Francisco, em 1999. Atualmente existem 2.186.562 participantes, 5.738.896 experiências bem-sucedidas, 237 países e 77.996 cidades representadas: é a maior rede de hospitalidade do mundo.

E quem achar que isso é uma experiência arriscada, está enganado. O CouchSurf tem um alto percentual de sucesso, que é incrivelmente 99,792% positivos. Ou seja, de mais de cinco milhões experiências, apenas 0,208% foram negativadas. Luciane Trentin, de Caxias do Sul, diz que todas as experiências dela foram ótimas e com certeza recomendaria a para todos: ”É muito bacana saber que tem gente tão massa por aí disponibilzando o tempo pra gente que nem conhecem!”.

Na região dos Estados Unidos, Canadá, Europa e Ásia a comunidade do CocuhSurf é muito forte. As pessoas viajam muito usando esta rede. Os viajantes ficam na média de 3 a 4 dias em cada “couch” e tem a chance de conhecer muitos lugares sem gastar muito. Algumas vezes, os hospedeiros agem como nossos amigos de infância. Nos dão ‘casa, comida e roupa lavada’. “Alguns CouchSurfers até confiam as chaves das casas”, diz Luciane Trentin. Outros oferecem drinks de boas vindas, porque sabem da necessidades dos mochileiros.

Aqui no Brasil a cultura do CocuhSurf infelizmente ainda não é muito conhecida e muitas pessoas ainda desconfiam dela. A maioria das pessoas que sabem disso, é porque já foram para fora do país e trouxeram consigo esta ideia. No entanto, pode-se notar que mesmo devagar, o CouchSurf Brasil está crescendo aos poucos. Em Porto Alegre, a comunidade é bem forte. Há encontros semanais, festas organizadas aleatoriamente e até mesmo grandes encontros de diferentes regiões. Para mais informações, inscrição ou visita à rede acesse o site www.couchsurfing.org

Categories: Uncategorized | 1 Comment

Christopher McCandless- INTO THE WILD

INTO THE WILD

Christopher McCandless – Alexander Supertramp
Christopher McCandless is an inspiration for me. And I bet there are people all around the world who is inspired by his actions and his history.
He died in 1992. In 2010 he still a martyr; and he will be forever for those people who see freedom as an ideal.
I wonder, who would have the courage he had?
Who would leave EVERYTHING behind to persue a dream like the one that he had? “No phone, no pool, no pets, no cigarettes. Ultimate freedom. An extremist”.
Persuing the libertation of society, aiming physicall and spirituall freedom, living in the middle of nature – “Into the Wild”.
No longer poisoned by civilization, he walked ALONE in The wild to become FREE.  However, I think he was already free when he first left home and deciced to go to the road.
There is so much to say and think about him. I would never finish writing here…
To end with this post, I would like to quote one thing that means a lot to me:
“The sea’s only gifts are harsh blows, and occasionally the chance to feel strong. Now I don’t know much about the sea, but I do know that that’s the way it is here. And I also know how important it is in life not necessarily to be strong but to feel strong. To measure yourself at least once. To find yourself at least once in the most ancient of human conditions. Facing the blind death stone alone, with nothing to help you but your hands and your own head.”

YOUR HANDS AND YOUR OWN HEAD…

A.Gallo
Categories: Uncategorized | 2 Comments

Sunset of ‘RIO GUAIBA’ (Guaiba River) – Porto Alegre / RS / Brazil

Porto Alegre is my city. And nothing else should I write about  in my very first post.

Believe, I have been in some sunsets but any of them can be compared to this one. This one is AMAZING.

The sky colors, the nature around it . . . It’s just so hard to describe in adequate words.

Maybe this pic is not the best one of it, but it was taken by me (or my friends) while watching the turn of the sunny day into the night. In short, this pic remembers me a good time in Brazil.

Categories: Brazil | Leave a comment

This blog  first is a project for my Communication Class. However, I hope I can keep updating it not just now…

This blog is for everybody to share with other people travel experiences, pictures and everything related to this topic.

For now, I will be posting pics of places that my friends and I have been and think its worthy to share. Maybe one day, when you need ideas of  travel destinations, you can find here. And if you are not exactly looking for this, you can just have a little more culture.

If you have pics or just know the name of the place with not too much information about it you can send me and email with ideas to public and I will try to complete.  It will be VERY WELCOME 🙂

Send to linigallo7@gmail.com

Aline Gallo

Categories: Apresentation | Leave a comment

Create a free website or blog at WordPress.com.